EuroTrip 2015 – Paris

22/1 [1º dia]:

Iniciamos nossa viagem mais uma vez chegando por Paris, no característico vôo da TAP que sái de Fortaleza às 23:45, faz conexão em Lisboa às 09:50 (06:50 em Fortaleza) saindo às 12:50 pra chegar em Paris às 16:20. Desta vez, além da minha esposa Lívia, contamos com a presença da irmã dela e nova editora do blog, Líllian.

Assim que aterrizamos no aeroporto, iniciamos aquele processo de preparação pra o frio do inverno, tudo muito novo pra gente. Pensei em pegar um metrô pra gente ir pro nosso loft, mas por conta do cansaço da viagem fomos de taxi. Custou 60 euros, caro, e ainda parecia ser um taxi pirata. Mas por conta do frio, não tivemos muito tempo pra negociar. E era um Mercedes de luxo, pra mim que sou besta e adoro carros, valeu… rs.

Nesta viagem, adotamos uma nova estratégia de hospedagem. Pra ter uma experiência diferente e ao mesmo tempo reduzir os custos resolvemos experimentar o AirBnb. Através dele podemos nos hospedar em residências alugadas pelos próprios moradores e assim ter uma ideia de como eles vivem. Você avalia a confiabilidade do local da mesma forma que escolhe em quem confiar ao comprar em um site do tipo Mercado Livre, com base nas avaliações de clientes anteriores. Claro que hotéis são muito confortáveis, mas você perde um pouco da experiência cultural e gasta mais.

O nosso loft era muito bem localizado, a poucos metros do Rio Sena em St Michel, uma região muito bem servida de bons restaurantes. No AirBnb, nem sempre o anfitrião vai estar lá te esperando. Neste caso, ele nos passou uma senha para o portão principal e explicou onde a chave estava guardada. O loft era exatamente como esperávamos, só tivemos alguns problemas com o aquecedor, mas por falta de experiência mesmo, afinal quem usa aquecedor em Fortaleza?? rs No final valeu muito a pena até em termos de custos se considerarmos a diária num quarto de casal e outra de solteiro que iríamos pagar nesta região nós tivemos uma economia de aproximadamente 40 a 50%.

Aproveitamos a nossa primeira noite pra jantar em um restaurante bem próximo, até porque não tinhamos roupas de frio adequadas ainda. Escolhemos o Le Depart Restaurant, e lá eu e minha esposa comemoramos nossos 10 meses de casados. Depois do jantar ainda fomos na Notre-Dame, mas vimos que não tinha condição, pois sofremos muito com um frio que nunca vimos igual até então. Ainda curtimos o final da noite no Corcoran’s Saint Michel Irish Pub, vizinho ao nosso loft, curtindo o som de uma bandinha muito boa.

23/1 [2º dia]:

De manhã, assim que acordamos fomos de metrô para o Le Marais, na Uniqlo, uma das lojas mais recomendadas para comprar roupas de frio. Bastou pegar a linha rosa (4) de Saint-Michel para Chatelet-Les Halles e de lá pegar a linha amarela (1) para Saint-Paul. Compramos casacos “michelin”, segunda pele, cachecóis, entre outras coisas. Aprendemos que cashmere é bem caro, mas é a melhor proteção possível para o frio.

De tardezinha fomos para a Pont des Arts, procurar o cadeado que deixamos 10 meses atrás. O problema é que se já seria difícil achar, com os tapumes que colocaram essa tarefa se tornou impossível. Passamos pelo Louvre, entramos somente na parte gratuita, pois já queríamos começar a caminhada rumo a Champs Elysees. Muitos roteiros sugerem uma caminhada no sentido contrário, mas na minha opinião essa é a melhor direção, que procuro fazer desde a primeira vez que visitei Paris em 2009, pois à medida que andamos temos uma bela vista das luzes da Champs ao fundo, de lado a Torre Eiffel e mais ao fundo o Arco do Triunfo.

Ao final da caminhada, encontramos mais uma vez a minha prima Karla e Catia, e mais uma vez no Vesuvio, na Champs. Dessa vez elas nos prepararam uma recepção ainda mais incrível, nos levando para o show de luzes da Torre Eiffel à noite na vista mais incrível em Trocadero, com direito a espumante Veuve Clicquot. E foi neste momento que passamos o maior frio de toda a viagem e de nossa vida: -2ºC com sensação  -7ºC!!

24/1 [3º dia]:

A festa foi muito grande no dia anterior então acordamos bem tarde e tomamos nosso café da manhã quase meio-dia no já característico crepe na rua Saint-Andre-des-Arts, próximo ao nosso loft. Pegamos o metrô para Montmartre, desta vez acertamos o melhor caminho (dica: baixe o ótimo aplicativo: Visit Paris By Metro), ou seja: pegando a linha rosa (4) saindo de Odeon para Barbés Rochechouart e daí pegando a linha azul (2) para Anvers, assim já ficamos a poucos passos da basílica. Começamos pela Basilica de Sacre-Couer e vimos mais uma vez o show de embaixadas de Iya Traore, entramos na igreja e ficamos um tempinho assistindo a missa lá dentro. Dessa vez conhecemos o Muro do Amor e logo depois passamos por uma festinha show, com muitos frutos do mar e uma bandinha que até hoje não esqueço

Só não ficamos mais tempo pois a gente tinha marcado com o gerente Marconas e Melissa lá em Trocadero. Passamos ainda no Cafe des Deux Moulins, característico do filme da Amellie Poulin. Chegamos em Trocadero bem depois do horário marcado, mas antes disso passamos no Le Coq, um restaurante com uma decoração bem peculiar, com umas luzes rosas bem loucas. Lá tomamos um bom vinho tinto, tentando estabelecer contato com nossos amigos e acabamos nos encontrando 2 horas depois próximo ao Pizza Vesuvio (viramos fregueses…), na Champs e jantamos por lá.

No dia seguinte teríamos o início da operação Bruxelas-Amsterdã, que vai ficar pra o próximo post!