EuroTrip 2015 – Bruxelas e Amsterdã

25/1 [4º dia]:

No post anterior, falamos sobre nossos 3 primeiros dias em Paris. Agora vamos continuar a viagem falando dos nossos 3 dias em Bruxelas e Amsterdã.

Acordamos num horário adequado mesmo com aquele friozinho e graças a minha prima que reservou um taxi pra gente, pudemos ir tranquilamente para a estação pegar nosso trem rumo a Amsterdã com pit-stop em Bruxelas. Nos encontramos no trem com Marconas e Melissa. Viagem de 300km, saímos 09:20 e chegamos 10:50. Nossa ideia inicial era ir pra Bruges mas mudamos de ideia ainda no planejamento, pois iria demorar muito, não havia nenhum trem saindo de Paris que passasse direto por Bruges.

Ao chegar na estação de Bruxelas, deixamos nossas malas no bagageiro em um dos momentos mais engraçados da viagem, onde conseguimos enfiar as nossas 5 malas em um único bagageiro pra gastar somente 4 euros e dedicamos essa foto ao nosso amigo “poiteiro”, o mestre Damaia.

malas_estacao_bruxelas
malas_estacao_bruxelas

Pegamos um metrô para o centro da cidade (2,10 euros), mas descemos em uma estação antes da mais próxima à Grand Place, ou seja, ao invés de descer na Bourse, descemos na Annessens. A gente teria apenas 5 horas em Bruxelas, então procuramos definir bem o que iríamos fazer, aproveitando ao máximo, com o cuidado de não perder o trem seguinte. Priorizamos a Grand Place, considerada por muitos a praça mais bonita da Europa, onde fica a sede da comunidade europeia. Após comer chocolates e waffles, ver a famosa estátua do menino mijão (Manneken Pis) e etc fomos fazer a super degustação de cervejas. Pra quem tem mais tempo, recomendo conhecer o Atomium, o parque de miniaturas Mini Europa e o museu das histórias em quadrinhos.

Os belgas afirmam ser os verdadeiros criadores da batata-frita, além de algumas das melhores cervejas do mundo. Fizemos uma degustação no Au Brasseur, próximo à Grand Place ao custo de 19 euros por 6 cervejas: La Trappe, Waterloo, Brugge Tripel, Tripel Karmeliet, Kwak, Delirium, em ordem crescente de graduação alcoolica. Algumas cervejas tem um aparato específico para degustar, como a Kwak, tipo esse da foto abaixo. Além dessas, conhecemos também uma tal de cerveja Jupiler (patrocinador da Liga Belga de futebol).

cerveja_kwak_in_love
cerveja_kwak_in_love

Fizemos umas compras rápidas, estávamos precisando de uma mala extra, aí minha esposa foi comprar uma. Foi bem engraçado pois o vendedor ficou puto dizendo que brasileiros penchincham muito… rs. Fomos então almoçar no Brussels Grill Grand Place. Pratos dos mais variados e deliciosos na faixa de 14 a 16 euros, tais como salmão grelhado, frango, spagheti, saladas e etc. Recomendo! Pegamos um taxi pra estação pra continuar nossa viagem e enfim chegamos em Amsterdã.

Chegamos no nosso loft lá pelas 20:15. O anfitrião Dowe nos recebeu muito bem, passou mais de meia hora nos explicando o funcionamento da casa e dando muitas dicas de como aproveitar melhor a cidade. Foi o melhor atendimento de todos os que tive oportunidade de conhecer no AirBnb. Recomendo muito. Além disso, como sempre fazemos nas nossas pesquisas, priorizamos boas localidades com bom custo-benefício. A vantagem de escolher uma hospedagem bem localizada é que os taxis que pegamos sempre ficam mais baratos.

26/1 [5º dia]:

Acordamos tarde e fomos tomar o café lá pra meio-dia. Vimos que os “Cafés” só servem café e biritas, e a gente doido pra comer. Tomamos um café só pra enganar a fome mesmo, enquanto eu fazia amizade com esse gato da foto abaixo. Saindo de lá encontramos a mercearia Vincent Kaas en Vlees, que se tornou nosso ponto de partida diário. Muita variedade e qualidade de comida boa e barata. Comprávamos sempre pães, queijos, e frios, sucos.

Amigo gato em Amsterdã
Amigo gato em Amsterdã

O que achamos mais legal da Holanda foi ver como todos respeitam o espaço do outro, até mesmo dos animais. Temos uma impressão nítida de como cada um vive a sua vida, com suas escolhas, sem se importunar com a do outro. Isso fica claro quando vemos tantas casas com janelas abertas e expostas nas ruas.

Pegamos um taxi para o Museu do Van Gogh, que custou apenas 12 euros a viagem. Início de tarde e não parava de chover. Aproveitamos pra bater umas fotos na Museumplain (praça dos museus). O museu é muito bem planejado, com 4 pisos exibindo diversas das suas obras que só ficaram mais conhecidas após a sua morte. Muito perfeccionista, sofria de esquizofrenia, chegando a cortar a própria orelha em vida, dizem que para aprimorar a pintura de seu auto-retrato. Gostamos tanto da história dele que compramos um livro sobre suas obras. Lá mesmo no museu almoçamos.

De lá fomos para a Heineken Experience, praticamente na última turma, entramos às 17:00. Outro museu muito bacana, explicam toda a história desta cerveja, além do processo de fabricação, onde você pode ter um momento de DJ (que como gosto muito desse som acabei aproveitando…), pode comprar uma garrafa personalizada com o seu nome, entre várias outras atrações, e ainda tem direito a 3 chopps Heineken para saborear no final da visita.

DJ Profissa na Heinken Experience
DJ Profissa na Heinken Experience

Depois fomos para Rembrandtplein, já era noite. Passamos no 3 Sisters Pub, um bar enorme, com poltronas bem confortáveis, onde tomamos alguns chops Amstel (mais uma holandesa). Decifrando o cardápio holandês, comemos portie kaas (porção de queijo), portie vlammetjes (parece ser um bolinho de carne), portie friet (fritas).

Então atravessamos a rua em direção ao famoso Smokey Club. Não pensamos em ficar muito tempo, ao chegar pedimos apenas 2 paint heineken. Mas de repente a garçonete chegou com um martini rose 1863, totalmente de graça, o que deixa tudo mais gostoso… rs

Muito se pensa que na Holanda o consumo de maconha é legalizada, mas não é bem assim. Existem casas autorizadas a vender o produto mas o consumo deve ser realizado ali mesmo ou em casa ou local autorizado. Vemos pessoas fumando nas ruas, mas costuma se dizer que o consumo é tolerado, não legalizado.

27/1 [6º dia]:

Nesse dia descansamos bem e saímos somente para conhecer a Casa de Anne Frank, a casa onde ela, durante a Segunda Guerra Mundial, escreveu seu diário, narrando o tempo em que passou escondida dos nazistas no anexo secreto da casa, com mais 7 pessoas, por serem judeus. Dá um sentimento de tristeza tentar entender o que se passou naquela época, mas a experiência de conhecer esse local é incrível. Como bem ressalta a revista que recebemos: “O desrespeito pelos direitos humanos pode ter consequências devastadoras”.

Ao sair passamos numa loja de souvenirs onde compramos algumas lembranças. Jantamos no Cafe de Raedt. Nosso jantar estava muito gostoso: massas, um tal de kogelbiefstuk met pepersaus (bife ao molho de pimenta), soep van de week (sopa da semana) e salade gerookte zalm klein (salmão defumado com salada).

No próximo post, nossos dias em Londres.

Super Degustação - Grand Place
Super Degustação – Grand Place
Super Degustação - Grand Place
Super Degustação – Grand Place
I Amsterdam - Museumplaine
I Amsterdam – Museumplaine
Praça dos Museus - Museumplaine
Praça dos Museus – Museumplaine
Heineken Experience - Filosofando
Heineken Experience – Filosofando
Degustação - Heineken Experience
Degustação – Heineken Experience