EuroTrip 2016 – Oceanário de Lisboa

Dias antes de viajar fomos informados que o trecho Lisboa-Fortaleza do nosso voo de volta seria transferido para o dia seguinte, por isso acabamos “ganhando” um dia extra em Lisboa.
Como isso implicaria em mais 1 dia de viagem e mais gastos, solicitamos à TAP que custeasse a hospedagem extra. Fomos atendidos e ainda mandaram um carro para levar a gente pro aeroporto no dia seguinte. Estão de parabéns.
Ficamos no Altis Park Hotel. Muito bom e ainda tivemos a sorte de ficar em um quarto superior com vista pro rio Tejo. Não tinha mais a suíte clássica por conta de um congresso que estava acontecendo.
Do lado do Altis Park, almoçamos no Restaurante Charlot. Um restaurante simples, mas gostamos muito da comida e atendimento. Recomendamos o bacalhau ou salmão com grão de bico (€7,50 cada prato), suco de laranja (€2,25) e pastel de Belém de sobremesa (€1,30):
Almoço no Charlot
Almoço no Charlot
Oceanário de Lisboa

Como a minha esposa Lívia é bióloga ela sempre teve muita vontade de conhecer o Oceanário. Das outras vezez que estivemos em Lisboa não conseguimos. Dessa vez finalmente deu certo.

A estação Olaias fica do lado do hotel Altis. De lá a gente pega o metrô para ir ao Oceanário. Achamos a estação enorme, muito bem conservada e bem tranquila se comparada as que conhecemos em outras cidades da Europa.

Estação OlaiasPara usar o metrô de Lisboa, precisamos inicialmente comprar um cartão (nos metrôs das outras cidades que conhecemos isso não foi preciso) da Viva Viagem (€0,50) e carregar ele para poder utilizar cada vez que se for usar o metrô (€1,40).

Pra chegar na estação mais próxima do Oceanário são 4 paradas: Bela Vista, Chelas, Olivais, aí você desce em Cabo Ruivo. De lá basta uma caminhada de 10 minutos.

O Oceanário é um passeio imperdível (€14 a entrada), ainda mais se você gosta de animais. Além disso é um ótimo local para passear com crianças. Se você tem apenas um dia em Lisboa, como foi o nosso caso, a gente sugere ou esse passeio ou a região do Mosteiro dos Jerônimos como fizemos da outra vez em Lisboa.

Pinguins do Oceanário de Lisboa
Pinguins do Oceanário de Lisboa

Achamos incrível como eles conseguem montar ambientes em um mesmo local para animais que vivem em climas completamente distintos. E como eles conseguem viver juntos tão bem em harmonia.

Uma das áreas que mais gostamos foi a das aves e pinguins. Eles conseguem manter uma temperatura adequada às condições de vida que esses animais precisam e já estão tão acostumados com os visitantes que nem se assustam com eles.

Mas na nossa opinião Micas e Maré são as maiores atrações. Elas são duas lontras marinhas que nasceram ali mesmo. São exímias nadadoras e muitas vezes dormem de “patas” dadas para se esquentar sempre cuidando muito do pêlo para mantê-lo impermeável, pois não têm uma camada grande de tecido adiposo para proteção. São muito peludas: num centímetro podem ter tanto pêlo como um ser humano no corpo todo.

Para encerrar o dia, jantamos na Nova Peixaria Restaurante, que fica na Alameda dos Oceanos, próxima ao Oceanário. Recomendamos um camarão de entrada (€3,00), prato principal um salmão ou robalo (€12 cada) e vinho branco da casa (€2,90 a taça). A comida é ótima. Fomos bem atendidos por um garçom brasileiro que nos contou que há muitos brasileiros vivendo por lá.

Voltamos de Uber para o hotel, saiu por €5,83. O motorista nos contou dos problemas que eles tem por lá também. Conseguiam trabalhar naquele momento amparados por uma ação judicial.

E com isso acabamos mais essa série de viagens. Até a próxima 😉